Tag Archives: urbes

Brno

10 maio

Não, não errei ao digitar. Brno é escrito assim mesmo.

Brno é a segunda maior cidade da República Tcheca e capital da região da Morávia. Fica a cerca de duas horas e meia de Praga, no meio do caminho entre Praga e Vienna. Aliás, muita gente que faz o trajeto Praga-Vienna de ônibus provavelmente faz uma paragem lá. Aproveitamos que nossos amigos estariam numa cidade por perto e marcamos de nos encontrar em Brno para explorarmos juntos essa parte da República Tcheca que ainda não conhecíamos (e continuamos sem conhecer muito bem). Passamos apenas um domingo lá, e deu para ver a maior parte das atrações. Talvez passar o dia lá seja mais fácil num sábado, quando tem mais lojas e restaurantes abertos.

Apesar de ser a segunda maior cidade da República Tcheca, Brno não é muito grande. Conta com cerca de 300 000 habitantes. É uma cidade muito engraçadinha, o centro histórico é relativamente pequeno, então deu para andarmos sem problemas grandes. Aliás, o único problema foi o vento que decidiu bater frio, muito frio.

Continue lendo

Anúncios

Salamanca

14 out

Ok, agora que pus minhas coisas em ordem, já dá para relatar a nossa viagem para Salamanca.

Depois da confusão com as estações de trem em Madrid, conseguimos chegar em Chamartín a tempo de comprar os bilhetes. Decidimos ir de trem para Salamanca porque não há nada como uma viagem de trem para nós. Na Espanha, pelo menos para a região a oeste de Madrid, que foi onde procuramos, o bilhete de trem custa o mesmo (e dependendo do horário é até mais barato) que o bilhete de ônibus. Sem contar que a viagem de trem seria mais rápida por ter menos paradas (cerca de 2h e 1/2). Os trens da renfe, empresa de trens espanhola, são super confortáveis e modernos. Ousaria dizer que são melhores do que os que pegamos da deutsche-bahn.

A paisagem rural espanhola que vi foi exatamente como eu esperava: pedras, arbustos, touros, morros beges, tudo como tinha visto em Terra e Liberdade, filme de Ken Loach que retrata a guerra civil espanhola.

paisagem vista de dentro do trem

Continue lendo

¡Madrid!

30 set

O plano inicial era ir para Salamanca de carro a partir de Coimbra, pegando carona com os portugueses. Não deu certo por vários motivos, então aproveitamos que iríamos de avião para passar uns dias em Madrid. Uma decisão muito sábia.

Para tirar do caminho logo, vou começar o relato dizendo que fomos de WizzAir, e que foi una mierda. O vôo não, foi decente. O único fato notável foi que, ao chegar, tivemos todos que esperar uns 20 minutos até a polícia espanhola entrar no avião, se dirigir diretamente a um cidadão e levá-lo consigo. Tudo tranqüilamente – inclusive, nunca vi passageiros tão comportados e respeitando os anúncios de não levantar e não ligar o celular… – e depois passamos por eles no aeroporto, conversando. Ninguém explicou nada e até hoje não sabemos o que foi. Porém: toda a burocracia antes e depois dos vôos, tanto de ida quanto de volta, para conseguir levar uma mala não valeu o preço mais baixo (se é que ficou mais baixo mesmo,  no fim das contas). O site era incoerente e fazia contas malucas, e o call center não funcionava. Enfim, isso é só para desabafar, dizer que a viagem começou estressante, e parar de uma vez por todas de falar da WizzAir. Continuando o relato:

Chegando em Madrid, no sábado, estávamos mortos de fome porque a WizzAir não dá comida! Mentira, não foi só por isso (e ela não dá, mas podemos comprar). Mas enfim, o fato é que chegamos em Madrid no meio da tarde, ainda sem almoçar. O aeroporto é bem no norte da cidade, razoavelmente longe do “centro”, que é no sul, onde nosso hostel era. Havia conexão de metrô, mas fazendo duas trocas de linha. Não sei se foi a fome ou o fato de termos andado umas 20 estações, mas o metrô de Madrid me pareceu meio lento… é abrangente, limpo, etc, mas leeento. Continue lendo

Vyšehrád

12 jul

[a título de esclarecimento, o ‘š’ tem som de ‘sh’]

Vista de Vyšehrád. As torres enormes fazem parte da igreja de São Pedro e Paulo. A igreja foi reconstruída no século XIX

A mitologia local conta que há muito tempo atrás existiu o rei tcheco Krok. Ele era muito sábio e justo, e viveu em um tempo em que a língua tcheca ainda não era escrita. Krok procurou difundir o conhecimento da magia em seu país, pois acreditava que assim agradaria aos deuses, trazendo prosperidade ao seu povo. Um dia, os deuses o disseram para se mudar de seu castelinho e procurar um ponto específico nas margens do rio Vltava e lá construir um castelo magnífico. Após o anúncio dos deuses, os homens importantes das diversas tribos sob o reino de Krok partiram para procurar o tal ponto, encontrando-o na beira de um precipício que margeia o rio, onde havia uma nascente. O castelo foi construído e tornado a sede do governo, sendo chamado de Vyšehrád, que quer dizer ‘castelo no alto’. Krok governou lá durante 30 anos até sua morte. Continue lendo

A Arquitetura Praguense I

6 jul

Praga é uma cidade com riqueza arquitetônica imensa. É impossível passear pela cidade e não notar os prédios. Volta e meia paro em frente a algum prédio que me chama a atenção e fico observando os detalhes, as decorações, como ele se encaixa no ambiente e não são poucas as vezes em que faço isso e percebo que as pessoas em minha volta param para ver o que estou olhando. É divertido! Me faz lamentar as aulas de história da arte terem sido inúteis no segundo grau. Quer dizer, não inúteis, mas aprender vendo projeções de transparências de baixa qualidade não faz jus à magnificência dos prédios. Fazia essas coisas incríveis ficarem extremamente desinteressantes. Ainda bem que agora tenho a oportunidade de ver tudo ao vivo.

Aqui decidi rapidamente fazer uma introdução aos diferentes estilos arquitetônicos que encontrei em Praga. Obviamente não conseguirei abordar todos, mas ainda assim acho que será uma experiência interessante. Pode servir de certa forma como um guia visual para quem quiser visitar Praga e entender um pouco de sua historicidade. Eu decidi que, para não encher o saco dos meus 3 leitores seria melhor fazer uma série de artigos, e não postar tudo de uma única vez. Continue lendo

Datas históricas: 5 e 6 de Julho

2 jul

Na semana que vem, temos feriados na segunda e na terça (oba!): dia 5, segunda-feira, é dia de São Cirilo e São Metódio, e dia 6 é o dia de Jan Hus. Cuma?, você pode estar se perguntando. Continue lendo

O verão é das rosas

28 jun

Eu que já tinha achado o inverno e a primavera muito bonitos aqui, estou boquiaberta com o verão. Não só pela incrível quantidade de luz – o sol nasce pelas 4:30 da manhã e se põe depois das 22h -, mas também pelas cores que se espalham pela cidade. As barraquinhas das frutas e verduras espalhadas pelas calçadas, como também os onipresentes jardins contribuem para essa impressão. E aqui, que é rainha é a roseira. Nunca vi tanta rosa numa cidade. Elas estão em todos os lugares, embelezando e perfumando a cidade. A rosa nunca foi minha flor favorita, mas devo dizer que estou muito bem impressionada. Elas realmente combinam com a arquitetura meio rebuscada do centro, com as esculturas de jardim, com o sol, com as casas, até com o fluxo de turistas.

Barraquinha de frutas e verduras dos vietnamitas.

Continue lendo