Arquivo | Dicas RSS feed for this section

Inverno

19 dez

A neve já está caindo há várias semanas, mas daqui a pouco é que o inverno começa oficialmente. O inverno passado foi bem atípico – recorde de frio, de neve acumulada, de período com neve, etc. – e este parece que vai ser também.
Eis então algumas considerações e recomendações para essa estação na República Tcheca.

Frio?

Sim, frio! Bem, dependendo dos seus padrões de comparação, não muito. Mas eu considero que se nós estamos em um lugar em que gelo cai do céu e não derrete por dias (quiçá meses), é mais frio do que viver dentro de uma geladeira – portanto, frio.

Continue lendo

Divoká Šárka

21 ago

[pronúncia: Divokaa Shaarka]

Vista de Divoká Šárka. Quando chegamos, havia um rebanho de carneiros pastando no alto do rochedo.

Quando cheguei em Praga e pulei no ônibus para ir para casa, uma das primeiras paisagens que vi logo após o aeroporto foi a da reserva natural Divoká Šárka. No inverno a vista estava maravilhosa, com a neve cobrindo os rochedos. Naquele momento me prometi que um dia iria passear por lá. O nome Divoká Šárka traduz como “Šárka selvagem”. Reza a lenda que muito tempo atrás, onde hoje está Praga, um lado do rio Vltava era controlado por uma tribo de amazonas e o outro lado, o de Vyšehrád, por uma tribo só de homens. A tribo das amazons andava sob a ameaça iminente de um ataque da tribo dos homens e, como eram poucas, decidiram por capturar o melhor guerreiro dos homens, Ctirád [tstiraad], e assim desmotivar a tribo masculina. A líder das amazonas então mandou Šárka, que considerada muito bonita, servir de isca para capturar Ctirád. A partir deste ponto surgem duas versões para a lenda: a primeira conta que Šárka conseguiu seduzir Ctirád e, enquanto ele dormia, as amazonas o capturaram e o mataram. A segunda versão conta que Šárka o matou. Após o feito Šárka joga-se dos penhascos e aí surge outra controvérsia: o motivo para a queda. Uma versão diz que ela se jogou como forma de penitência por sentir-se culpada pelo assassinato, enquanto que a outra versão diz que ela havia se apaixonado por Ctirád e se jogou porque estava sofrendo muito com sua perda. O nome deste penhasco é Divci Skok (o salto da garota). Continue lendo

Como não comer carne em Praga

29 jul

O Anthony Bourdain chamou Praga de “a terra que os vegetais esqueceram”. Na época, eu concordei (com a ressalva de que batata e repolho são vegetais…) Lendo agora nos Ducs em Amsterdam o post sobre a visita deles, em que o Daniduc conclui mais ou menos a mesma coisa, achei que devia fazer umas ressalvas. O suficiente, quem sabe, para um post? Sim!

Quando eles nos visitaram, de fato nós não saberíamos desafiar o conceito de que comer fora desviando-se de carnes, na República Tcheca, é no mínimo complicado. De fato, “salada” aqui freqüentemente vem com frango; o halušky, um prato típico eslovaco que à primeira vista no menu parece vegetariano, volta e meia vem com pedacinhos de bacon; e uma das únicas vezes em que eu comi um peixe, ele veio literalmente enrolado em bacon… sei que o peixe não conta, foi só pra ilustrar como às vezes, pela descrição, você acha que um prato não tem tal ingrediente, mas ele só está implícito. Aqui, é carne. Alguma carne.

Mas, com o tempo e uma certa prática, fomos achando umas exceções dignas de nota. Exemplos a seguir! Continue lendo

Vyšehrád

12 jul

[a título de esclarecimento, o ‘š’ tem som de ‘sh’]

Vista de Vyšehrád. As torres enormes fazem parte da igreja de São Pedro e Paulo. A igreja foi reconstruída no século XIX

A mitologia local conta que há muito tempo atrás existiu o rei tcheco Krok. Ele era muito sábio e justo, e viveu em um tempo em que a língua tcheca ainda não era escrita. Krok procurou difundir o conhecimento da magia em seu país, pois acreditava que assim agradaria aos deuses, trazendo prosperidade ao seu povo. Um dia, os deuses o disseram para se mudar de seu castelinho e procurar um ponto específico nas margens do rio Vltava e lá construir um castelo magnífico. Após o anúncio dos deuses, os homens importantes das diversas tribos sob o reino de Krok partiram para procurar o tal ponto, encontrando-o na beira de um precipício que margeia o rio, onde havia uma nascente. O castelo foi construído e tornado a sede do governo, sendo chamado de Vyšehrád, que quer dizer ‘castelo no alto’. Krok governou lá durante 30 anos até sua morte. Continue lendo