Kutná Hora

1 fev

O Thiago veio nos visitar em novembro. Iêi!

O Thiago é amigo de longas datas, desde os tempos do segundo grau. É uma das poucas pessoas que quando disse que vinha nos visitar levei a sério. Tudo bem que sua passagem por aqui foi bem rápida, mas deu para matar a saudade. Numa semana ele disse que vinha, na outra já estava aqui. Gosto de gente assim.

Numa das conversas que tivemos antes dele embarcar pra cá, ele mencionou que havia visto alguma reportagem em algum canal de tevê sobre a Capela dos Ossos em Kutná Hora. Fiquei animada, porque ainda não tinha ido lá, e quando ele chegou fiz questão de que fossemos. Então, numa manhã de um dia da semana que já não me lembro mais qual era, nos encontramos na estação central (Hlavní Nádraží) para pegar um trem para Kutná Hora.

Eu e Thiago em Kutná Hora. Foto do Thiago.

KUTNÁ HORA

A cidade Kutná Hora começou a aparecer por volta de 1142, com a fundação do Monastério Cisterciense – hoje esse monastério foi transformado em uma fábrica de cigarros, que manteve a catedral do monastério aberta para visitas – ao pé de uma montanha.  Aliás é desses monges que vem o nome da cidade: Kutná em tcheco quer dizer capuz, em referência ao capuz das vestes dos monges. Hora em tcheco é montanha. Uma tradução literal para Kutná Hora pode ser “montanha encapuzada”.

Na tal montanha, no século XIII, foram descobertas grandes jazidas de prata. Com a prata veio muita gente atrás de riquezas – que nem em Minas Gerais. A quantidade de prata minada era tão grande, que Kutná Hora competia com Praga pela liderança econômica, política e cultural. Inclusive, durante as guerras hussitas diversos reis escolheram estabelecer Kutná Hora como base de operações já que em Praga tava tudo uma loucura.

Eu devo confessar que não vi montanha nenhuma na região. Vi morros, altos até, mas que na minha concepção não chegam a ser uma montanha. Talvez ela tenha sido minada até diminuir um tanto, de repente colapsou, erodiu, deslizou, porque não tá mais lá.

O declínio da cidade começou quando a principal mina de prata foi inundada de maneira irreversível. Depois, uma insurreição mal-sucedida contra o rei Ferdinando I fez com que a cidade já decadente perdesse todos os seus privilégios. Como se não bastasse, boa parte da população de Kutná Hora morreu vítima da peste negra ou  da guerra dos 30 anos. A cereja no topo foi um fogo em 1770 que devastou a já devastada cidade.

O que ver em Kutná Hora

Depois disso tudo, não repreendo se você me perguntar “e o que é que tem para ver em Kutná Hora?” Mas eu já falei lá em cima. Tem uma capela de ossos. A Capela (ou também ossuário) não foi literalmente construída com ossos, mas a decoração interna foi feita com esqueletos. Estima-se que entre 40 000 e 70 000 esqueletos tenham sido usados no Ossuário. O lado de fora não é nada impressionante mas, por dentro é bizarra.

foto por Bernatel

A simbologia toda por trás dos ossos é a mesma de sempre, vanitas, a inescapabilidade da morte. Entrar no ossuário é lembrar da própria condição mortal. Para mim pelo menos funcionou, nao sei se o Thiago teve essa impressão tambem. O que mais me… não sei direito que palavra usar. Não é repugnar, nem espantar, nem dar aversão, nem deixar curiosa. É tudo isso ao mesmo tempo. Mas enfim, o que mais me deu tudo isso ao mesmo tempo foram os crânios. Crânios de todos os tamanhos e jeitos, com dentes, desdentados, com fissuras, etc. Crânios que um dia foram uma cabeça normal, e agora viraram candelabros, escudo de ossos, pias de batismo de fíbias…. já dá para ter uma idéia.

foto por Bernatel

No ossuário Thiago e eu compramos um bilhete que nos dava direito à entrada nas três grandes atrações da cidade (ossuário mencionado acima, catedral e igreja mencionados abaixo). Não me lembro quando foi, mas foi bem em conta.

Na frente do ossuário, do outro lado da rua tem a catedral do antigo monastério. Chama-se Catedral da Assunção de Nossa Senhora e São João Batista. Ela está bem mantida, com o apoio da cia. de tabaco que montou fábrica no monastério. De tão bem mantida é até um pouco sem graça lá dentro. Mas a arquitetura gótica/barroca é uma beleza.

Depois de cruzarmos a cidade à pé (mas parando no meio do caminho para almoçarmos) e descobrirmos que não era tão perto assim, chegamos na Igreja de Santa Bárbara. Acho que vale muito a pena a visita a esta Igreja. Não só porque é muito bonita, mas é bem interessante. É uma igreja gótica com 5 naves, que começou a ser construída em 1388 (aliás, Santa Bárbara é a santa dos mineiros) e só foi terminada no século XIX. Faz parte dos Patrimônios Mundiais da Unesco. Muito interessante, porque é feita de pedra e ao mesmo tempo as naves parecem leves, chegam a lembrar tendas que se inflam com o vento. Ouso dizer que é mais bonita que a Catedral de São Vitu, no Castelo de Praga…

foto por Silverhorse (para ver seu Flickr, clique na foto)

foto por Bernatel

É claro que tem mais coisa para ver nessa cidade, mas o dia em que fomos foi um dia meio miserável. Fazia muito frio e chovia uma chuva fina e chata. Não tava muito bom  pra bater perna, mas foi bom mesmo assim. Dá uma boa viagem de um dia, se alguma visita quisesse ir conhecer, levaria lá de novo.

A viagem Praga-Kutná Hora dura cerca de 50 minutos. Também dá pra ir de ônibus. O site do idos dá todos os horários e de trem e ônibus para Kutná Hora.

Fontes:

Wikipedia

http://en.wikipedia.org/wiki/Kutná_Hora

http://en.wikipedia.org/wiki/Sedlec_Ossuary

Site oficial de Kutná Hora

http://www.kutnahora.cz/index.php?sec=3&cid=82

http://www.kostnice.cz/

Anúncios

2 Respostas to “Kutná Hora”

  1. Stela 2 de fevereiro de 2011 às 6:15 pm #

    Pode me inscrever para uma próxima excursão a Kutná Hora. Se bem que me dá uma certa gastura essa “decoração com ossos”. Parece aquela inscrição em cemitérios antigos: “Nós ossos que aqui estamos, pelos vossos esperamos”. Brrrr. Lugarzinho azarado, Kutná: com esse histórico de guerras, decadência e possível devastação ambiental, ainda acaba tendo um monastério dos anos 1100 transformado em fábrica de cigarros!?!?! Ôrra meu, isso é mais sinistro do que a capela de ossos.

    • jvbernatel 8 de fevereiro de 2011 às 5:30 pm #

      Acho que a idéia é dar gastura, mesmo. Se deu só pelo texto, sucesso duplo!

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: