Hóquei (ou: “SPARTAAAA!!!”)

22 jan

Ontem fomos ver um jogaço: Sparta x Slavia! Clássico!

São os dois times de hóquei de Praga na “primeira divisão” da República Tcheca (chamada de Extraliga), e quando se enfrentam, especialmente quando é parte de um campeonato, como ontem, vale a pena ver nem que seja só pela comoção.

O jogo foi bem bom, o Sparta ganhou de 3 x 0 e se redimiu aos meus olhos. Sem ofensa, mas eu já tinha assistido a três partidas do Sparta, na casa deles (o Tesla Arena), e eles perderam as três. Se perdessem do Slavia de novo, eu já estava pronto para jogar a camisa que eu não tenho no chão enfurecidamente e rasgar a carteirinha de membro do fã-clube, se eu a tivesse. Eu sei, eu sei, um verdadeiro fã está com o time nas fases ruins e blá blá blá. Mas considerando que eu escolhi o “meu” time meio que no cara-ou-coroa (o primeiro jogo para o qual eu consegui ingresso foi do Sparta, então Sparta eu era), não via grandes conflitos morais em fazer pelo menos uma melhor de três.

Essa foto eu tirei em outra ocasião (em que o Sparta perdeu...), é só para mostrar como é o Tesla Arena por dentro.

 

Mas isso é passado! Sparta 3 x 0 nos coxinhas do Slavia! Rarrarrá!

Apoio moral

O melhor de assistir hóquei no estádio não é o jogo em si – apesar de ser também bem legal, dinâmico pacas, e impressionante no modo como aqueles caras fazem manobras no gelo que eu não conseguiria fazer no chão – mas a torcida. No estádio, atrás de cada gol há uma seção exclusiva para as torcidas organizadas. Elas levam tambores, cartazes, megafones e por aí vai, e ficam puxando gritos de guerra e palmas e musiquinhas o jogo todo (que dura quase umas três horas: são três tempos de 20min, com 18min de intervalo; mas como o cronômetro é pausado a cada gol, falta, etc, ‘um tempo’ dura fácil mais de meia hora.)

Já estamos conseguindo entender (e acompanhar) alguns dos gritos da torcida, como o “Sparta! Praha!” (esse é fácil) e o “My chceme gól!” (“Nós queremos gol!”).

Jsme Sparta

"Jsme Sparta", slogan da torcida do Sparta. Pode ser traduzido aproximadamente como "É nóis, Sparta!"

 

Outro momento um tanto impressionante era quando o “narrador” do estádio – que não narra, mas dá seus insights de vez em quando – ia falando alguma coisa, o tom da voz subindo, aí no telão aparecia a foto de um jogador.

O narrador: “Petr Tooooon!”

E a torcida: “TON! TON! TON! TON!

Negritos e itálicos não bastam, aqui.

Aliás, quando eu falo “grito de guerra”, não é muito exagero não. Não que o clima seja belicoso, mas mesmo uma pessoa pacata tem uns picos de adrenalina ali no meio dos tambores e das centenas de pessoas gritando a mesma coisa (seja lá o que for… se bem que agora já entendemos uma boa parte!)

Na paz, mano.

Mas talvez uma das coisas mais interessantes, que me impressiona ainda mais num jogo importante como um Sparta x Slavia, é a falta de agressividade da torcida. Sim, 90% do estádio é de torcedores do Sparta, com níveis de álcool no sangue cada se elevando à medida em que a partida progride, e mesmo assim é tudo perfeitamente pacífico.

Ontem, do nosso lado estava um grupo de uns 4 adultos, torcedores do Sparta, e a filha de um deles, uma menina de uns 8 anos – fã do Slavia. Era bem engraçado a vozinha dela tentando gritar “Slavia!” por cima dos slogans da torcida espartana e fazendo cara de emburrada quando o Slavia falhava. Ainda mais porque o pai ficava rindo da cara dela. Hehehe.

No ano passado, eu vi outro jogo do Sparta contra Slavia, mas que o Sparta perdeu (deveria dizer “perdemos”? Eu ainda não me acostumei com esse linguajar de torcedor.) Depois do jogo fui para o metrô e a plataforma estava lotada. Mesmo. E no meio daquela muvuca de centenas de torcedores do Sparta frustrados, onde ocasionalmente alguém ainda puxava um “Vamo lá, Spartaaaa!” (em tcheco, claro), apareceu um grupinho de uns 5 ou 6 adolescentes, pelo menos metade meninas, vestindo, digamos, as cores erradas. Eu pensei: pronto, vou ser testemunha de linchamento. Qual nada.

Em volta deles, a postura em geral era de dar as costas. Se não por desprezo, para poder olhar para eles de canto de olho por sobre os ombros (é mais intimidador). Os Slavias não davam muita bola, ficavam lá rindo sozinhos e soltando um ou outro gritinho. (Mas não muito, porque também não é bom abusar da sorte.)

Tá, na verdade eles saíram ilesos mas nem tudo foi bonitinho. Era gente suficiente para lotar pelo menos dois trens, e a compactação da multidão entrando nos vagões não foi exatamente gentil.

Kafka e Guláši

Por outro lado, ontem foi tudo calmo. Jogo bom, gol do Petr Kafka (achei um fato digno de nota, nem que seja só para poder um dia dizer “Se conheço Kafka? Claro. Já vi ele jogando.”) e bem no último minuto, o que as damas no nosso grupo estavam torcendo para ver: uma boa briga. Daquelas de fazer montinho e o juiz não conseguir separar. A propósito, os árbitros de hóquei (são 4 em campo) são um tanto brutos. Também, para separar aquele povo…

Mais tarde, o Vašíček (16 do Slavia) disse que o Gulaši (24 do Sparta) devia falar menos e brigar mais. Foto: Yan Renelt, do iDnes.

Mas acabou tudo bem. Os dois que começaram a briga (de certa forma, só eles brigaram; os outros estavam só entusiasticamente tentando separar a briga) foram para suas cabinezinhas de castigo, e ainda teve uma sessão de xingamentos e “te pego na saída!”, mas quando o jogo acabou os dois times se cumprimentaram cordialmente e tudo mais.

E foi isso. Saímos seguindo o fluxo, satisfeitos na nossa vitória, com os tambores ainda na cabeça e ouvindo volta e meia alguém na rua gritando: “SPARTA!” e outro respondendo, de outro canto: “PRAHA!”

Anúncios

4 Respostas to “Hóquei (ou: “SPARTAAAA!!!”)”

  1. Stela 22 de janeiro de 2011 às 2:46 pm #

    Que maravilha! Vou dar pra torcida do Coringão a idéia de incorporar esse grito de guerra: “ÔÔÔÔÔÔ O CORINGÀO VOLTOU, MY CHCEME GOL, MY CHME GOL!!!!! Faz sentido, soa bem e dá rima. Pena que não tem um Corinthians aí em Praga, aí a coisa ia ficar boa. É NÓIS, MANO!!!!!!!

    • jvbernatel 24 de janeiro de 2011 às 2:22 pm #

      Coringão? “A coisa ia ficar boa”? Hm, acho que não ficou claro: eu não estava RECLAMANDO da tranqüilidade…

  2. lovechips.paty 24 de janeiro de 2011 às 2:34 am #

    pilula de conhecimento
    vc sabia que o brasil é o 3º no ranking mundial de hockey no gelo?
    sim, eu faço bacharelado em esporte na usp. ano passado fizemos um trabalho sobre hockey, levemos o tecnico da seleção brasileira/presidente da federação paulista e da nacional para uma palestra na classe. foi animal. sem contar que foram 2 jogadores com uniforme e tudo, mas ai colocar patins pra poder sair correndo no corredor hihih. todo mundo enlouqueceu ^^
    adoraria ver um jogão assim, acho mto legal. é um dos meus preferidos pra assistir.
    e quando a sensaçãod e assistir um jogo ao vivo de fato eh deliciosa, lembro da minha primeira vez no estadio. e quanto ao medo, hahah superei depois que me arrastaram pra ir num jogo do corinthians, hahaha fiquei com medo, o povo fica frenético
    a menininha deve ter ficado feliz e o pai com cara de taxo. hahahaha
    beijocas

    • sarahkcp 24 de janeiro de 2011 às 10:07 am #

      Poxa, que interessante essa coisa do Hockey, nem sabia que o Brasil tinha time/arena/suporte pra isso e ainda era bom. Um dia ainda hei de assistir uma partida do time brasileiro. Pra mim, uma partida de hockey é muito mais interessante/legal/divertida do que de futebol. Vale muito a pena ver ao vivo.

      Mas confesso que fiquei desacreditada quanto à questão do ranking. Fui dar uma olhada no site da federação internacional de hóquei no gelo (a que organiza os campeonatos mundiais e estabelece as regras gerais) o Brasil não apareceu entre os 50 primeiros colocados entre 2003 (quando começou a ser medido nos padrões atuais) a 2010. O esquisito é que no site da confederação brasileira eles se colocam como o 10º time mundial nessa curta história, usando o mesmo ranking da IIHF.

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: