Vyšehrád

12 jul

[a título de esclarecimento, o ‘š’ tem som de ‘sh’]

Vista de Vyšehrád. As torres enormes fazem parte da igreja de São Pedro e Paulo. A igreja foi reconstruída no século XIX

A mitologia local conta que há muito tempo atrás existiu o rei tcheco Krok. Ele era muito sábio e justo, e viveu em um tempo em que a língua tcheca ainda não era escrita. Krok procurou difundir o conhecimento da magia em seu país, pois acreditava que assim agradaria aos deuses, trazendo prosperidade ao seu povo. Um dia, os deuses o disseram para se mudar de seu castelinho e procurar um ponto específico nas margens do rio Vltava e lá construir um castelo magnífico. Após o anúncio dos deuses, os homens importantes das diversas tribos sob o reino de Krok partiram para procurar o tal ponto, encontrando-o na beira de um precipício que margeia o rio, onde havia uma nascente. O castelo foi construído e tornado a sede do governo, sendo chamado de Vyšehrád, que quer dizer ‘castelo no alto’. Krok governou lá durante 30 anos até sua morte.

Ele tinha três filhas e nenhum filho. Eram elas Kazi, Teta e Libuše. Todas eram belas, sábias e boas, possuindo cada uma diferentes poderes especiais. Kazi possuía o conhecimento da medicina, Teta era uma sacerdotisa e Libuše tinha o poder da profecia. Em uma de suas visões, Libuše previu o aparecimento de uma enorme cidade, exatamente no lugar onde hoje está Praga. Antes de falecer Krok escolheu Libuše como sua sucessora.

Ruínas do banho de Libuše, de onde ela teria previsto o desenvolvimento de Praga.

Apesar de Libuše ter se provado uma excelente rainha, trazendo paz e prosperidade para seu povo, o machismo da época não aceitou sua superioridade administrativa. Os homens importantes das tribos não gostavam do fato de seu líder ser uma mulher, exigindo que Libuše escolhesse um príncipe para governar. Libuše então teve a visão muito conveniente de um fazendeiro trabalhando em terras longínquas. Ela então mandou que seus conselheiros saíssem à procura deste fazendeiro, com instruções exatas do que deviam procurar: um fazendeiro com uma sandália quebrada, arando um campo. Dito e feito, os conselheiros acharam Přemysl [prjemísil], exatamente do jeito descrito por Libuše. Naquele mesmo dia, Přemysl, vendo uma oportunidade de escapar da vida dura, abandonou sua fazenda indo casar-se com Libuše. Libuše, satisfeita por ter conseguido enganar os homens importantes de sua tribo, que, com a sugestão de que ela arranjasse marido certamente tinham a intenção de que seria um dentre eles, casou-se com Přemysl, fundando a primeira dinastia tcheca, que durou 400 anos, governando a partir do castelo Vyšehrád.

A versão mitológica, no entanto, nem sempre corresponde aos fatos históricos. No século X Vyšehrád era burgo rival do Castelo de Praga (este data do século IX), mantendo esta rivalidade por aproximadamente dois séculos, até a dinastia Přemyslid conquistar definitivamente o cenário político tcheco. No século XIV, o Imperador Carlos IV* decidiu modernizar o Castelo de Praga, abandonando definitivamente Vyšehrád como morada dos soberanos, transformando-o em uma fortaleza de pedra. Durante as guerras hussitas, o complexo real foi todo destruído.

O Badá está a olhar para o castelo de Praga (as duas torres no fundo).

No século XVII, após a guerra dos 30 anos os Habsburgos assumiram o controle sobre as terras tchecas. Vyšehrád foi então transformado em um centro de treinamento para o exército austríaco, e  finalmente foi incorporado à cidade de Praga.

Hoje a área em que existiu foi transformada num enorme parque histórico. Lá estão a rotunda de São Martim, a Igreja de São Pedro e Paulo, o cemitério no qual estão enterrados os grandes artistas tchecos, entre eles Antonín Dvorák e Karel Čapek (lê-se tchapek).

Túmulos do cemitério de Vyšehrád

Num domingo de sol decidimos ir visitar o lugar, e que arrependimento tivemos de não termos levado a Lissa, o Andrew, os Ducs, o RBP e a Aline para conhecerem o lugar. Se bem que no inverno não teria sido muito legal de ver, por ser um lugar aberto onde venta muito. Mas de certa forma também serve como atrativo para visitas futuras. O lugar é extremamente lindo. Os túmulos do cemitério, por serem de artistas, são especialmente trabalhados e bonitos. A igreja de São Pedro e Paulo é magnífica por dentro e por fora. No dia em que fomos o tempo estava lindo, e no parque de esculturas ao lado da igreja de São Pedro e Paulo havia um quinteto de saxofone tocando para os visitantes. Foi um passeio muito bonito.

Quinteto de saxofone tocando no jardim das esculturas numa tarde de domingo.

Recomendamos fortemente a quem visitar Praga, para, além de conhecer o Castelo de Praga, visitar também Vyšehrád. Além de ser bonito pra caramba, não é nada cheio como o Castelo, sendo mais visitado pelos locais. E ele é fácil de chegar tanto de metrô (linha vermelha, parada Vyšehrád), como de bonde (linhas número 3, 7, 16.17 e 21).

*Um dia ainda escreveremos sobre Carlos IV, porque é impossível passear por Praga e não ver as constantes referências a ele.

Anúncios

7 Respostas to “Vyšehrád”

  1. rbp 26 de julho de 2010 às 9:16 pm #

    Depois que morreu, o rei Krok virou um ex-Krok?

    • sarahkcp 27 de julho de 2010 às 8:41 am #

      muahahahaha.
      É impressionante o dom dos BPs para trocadilhos infames. O Badá engasgou com a pasta de dente quando leu isso.

      • rbp 6 de agosto de 2010 às 5:44 pm #

        Servindo bem para servir sempre 🙂

Trackbacks/Pingbacks

  1. Divoká Šárka « Minha Vida em Praga - 21 de agosto de 2010

    […] está Praga, um lado do rio Vltava era controlado por uma tribo de amazonas e o outro lado, o de Vyšehrád, por uma tribo só de homens. A tribo das amazons andava sob a ameaça iminente de um ataque da […]

  2. Por que você deveria saber mais sobre Karel Čapek « Minha Vida em Praga - 27 de janeiro de 2011

    […] (ou: "SPARTAAAA!!!")Cinema (e similares) em PragaComo não comer carne em PragaVyšehrád¡Madrid!Česky RájBerlimDivoká Šárka […]

  3. Por que diabos “Praga”!? « Minha Vida em Praga - 15 de fevereiro de 2011

    […] (práh). Uma interpretação para essa origem tem a ver com a lenda da fundação da cidade – Libuše, que à época vivia em Vyšehrád, teria tido uma visão e instruído o povo a construir um castelo do outro lado do rio. Eles […]

  4. Dicas de Praga na primavera e no verão — Ducs Amsterdam - 18 de abril de 2011

    […] Por todo o lugar há monumentos e relíquias de origem histórica ou lendária. Como as pedras que Lúcifer teria jogado para esmagar um clérigo que não honrou um acordo. Ou o local onde Libuše profetizou o surgimento de Praga. Aliás, a história de Praga e a lenda de Libuše têm uma ligação muito próxima (como contamos lá no Minha Vida em Praga). […]

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: